Como explicar racismo para Criança na Infância | Guia por Idade

por

Não existe uma maneira “certa” de explicar o racismo a uma criança na infância. Nunca se é jovem demais para falar sobre racismo.

O que outros artigos não dirão é como você vai se comunicar com seu filho, dependendo da idade dele.

É por isso que preparamos um guia apropriado para a idade para falar sobre racismo. 

Crianças em idade pré-escolar (menores de 5 anos)
Alunos do ensino fundamental (6-11 anos)
Adolescentes (12+ anos)

Crianças em idade pré-escolar (menores de 5 anos)

Você deve desenvolver um ambiente onde as crianças possam aprender sobre as diferenças e semelhanças entre os humanos.

Questione-os sobre como as pessoas têm uma cor de cabelo diferente, uma cor de pele diferente, línguas diferentes, religiões diferentes.

Veja que estou direcionando esta conversa mais para uma aula de história ou geografia do que uma aula de racismo.

Para começar, use livros com imagens ou filmes. É uma ótima maneira natural para as crianças aprenderem sobre outras raças e suas diferenças.

Bebês são mais espertos do que você pensa, a pesquisa mostra que bebês a partir dos 3 meses podem perceber diferenças da cor de sua pele nas pessoas.

Não evite o assunto, nessa idade as crianças têm curiosidade sobre as coisas. Se você evitar apenas uma vez, eles podem nunca perguntar nada sobre o assunto.

Passo prático: Leia um livro com imagens para seus filhos e identifique as diferenças nas pessoas. Explicar, como em uma aula de história ou geografia, por que certas pessoas são diferentes. Enfatize que a aparência deles é diferente, mas eles devem ter as mesmas oportunidades. 

Alunos do ensino fundamental (6-11 anos)

Considero essa faixa etária como a idade do questionamento. 

Seu filho costuma questionar coisas como: “Mãe, por que o céu é azul?” “Mãe, como é que só as crianças vão à escola?” e assim por diante.

Procure sempre saber o que eles realmente sabem sobre o assunto.

Peça exemplos, mostre que você está interessado. Isso vai gerar uma grande oportunidade para que seu filho se abra para você.

Descubra onde eles estão aprendendo o que sabem sobre racismo, é nas redes sociais? É por meio dos pais de seus amigos? É na escola por meio dos professores?

Na prática: Explore seu senso de justiça. Crie cenários sobre como alguém poderia ser deixado de fora de propósito em uma situação, faça-os questionar isso.

Por exemplo, “você acha que é justo apenas para crianças altas almoçarem na escola?”. Em seguida, questione-os se é justo ou não e por quê. 

Adolescentes (12+ anos)

Eles podem expressar sua visão claramente agora. Portanto, preste atenção às suas palavras e emoções

Eles ficam envolvidos quando falam sobre racismo? Ou é algo que não lhes interessa tanto?

Isso é importante para analisar os traços de personalidade de seu filho. Se eles são muito interessados com o racismo, podem estar com outros tópicos controversos também.

Se eles parecerem muito engajados, incentive-os a serem ativos. Para fazer coisas como falar nas redes sociais e participar de discussões na escola.

Encontrar a paixão de seus filhos começa assim. Talvez eles estejam mais interessados ​​em aulas de debate em vez de esportes.

Na prática: faça um jogo com eles para demonstrar o racismo. Pegue cordas e amarre suas mãos com as deles, então explique o racismo, assim como suas mãos agora são um assunto complicado. 

Você pode desembaraçar um fio, mas levará algum tempo para remover toda a corda. 

O que fazer a seguir?

Se as crianças forem expostas a um mundo mais diversificado, é menos provável que transmitam racismo.

Portanto, é seu trabalho dar a eles essa exposição. Faça viagens, mostre aos seus filhos diferentes culturas, diferentes pessoas.

Se você não pode viajar, traga o mundo para sua casa com comidas e filmes internacionais sobre uma cultura diferente.

Todas essas coisas vão ampliar a perspectiva de seus filhos sobre a diversidade.

Seja um exemplo em casa e na vida. As crianças são uma esponja, elas absorvem tudo a que são expostas!

Photo of author

Marcia Toledo

Mãe de 3, madrasta de 2 e avó de 4 me deu o titulo de Mãe Experiente. Depois de Pura pressão social, decidi compartilhar meus conhecimento sobre ser uma mãe e ter uma familia.